Cultura e Entretenimento

Música misteriosa, escutada pelos astronautas da Apollo 10

Os astronautas escutaram música misteriosa enquanto sobrevoavam o lado oculto da lua.

Assim que a Apollo 10 entrou nesse ponto cego das comunicações os astronautas começaram a escutar uma série de sons agudos que identificaram como uma melodia bizarra, uma música espacial.

Os astronautas da missão Apollo 10 foram apanhados de surpresa por uma música misteriosa quando estavam a bordo da nave que fez o ensaio geral para a chegada do homem à Lua.

As gravações da missão, tornadas públicas pela NASA em 2008, revelam que os astronautas estavam no chamado lado oculto da Lua, sem contacto com a Terra, quando ouviram o som misterioso.

Em 1969, a missão Apollo 10 tinha a objetivo de ir até a lua e voltar, sem pousar, dando a volta nela e passando pelo lado oculto da lua. Era uma missão de teste geral para a próxima, a Apollo 11, esta sim pousaria na superfície da lua.

Os astronautas Eugene Cernan e John Young estavam tendo um voo sem inconvenientes até que entraram no lado oculto da lua. Ao entrar no lado oculto da lua, as comunicações com a terra se perdem. Aquela grande massa lunar se interpõe entre a nave e a terra.

Esse problema se resolveria com um satélite. Porém até hoje isso não existe, não temos um satélite de comunicações que possa fazer esse trabalho enquanto uma nave entra no lado oculto da lua.

continua depois da publicidade


Curso de Desenho Técnico
Leitura e Interpretação de Desenho Técnico, para desenvolvimento de projetos. Veja em detalhes neste site
https://www.mpsnet.net/G/307.html

Assim que a Apollo 10 entrou nesse ponto cego das comunicações os astronautas começaram a escutar uma série de sons agudos que identificaram como uma melodia bizarra, uma música espacial.

A misteriosa melodia não podia vir da terra. Nas conversas gravadas na Apollo 10 e reveladas pela NASA apenas recentemente em 2008, mostram uma conversa entre os astronautas que é bem reveladora.

No diálogo que pode ouvir-se nas gravações, e que está também descrito no site da NASA, os astronautas discutem entre si se haveriam de contar à NASA sobre o som que ouviram.

“Você escutou esse assobio?“. “Parece que vem do espaço exterior“. “Me pergunto o que pode ser“. Dizem as partes da conversa. A gravação mostra ainda como os astronautas debatem se devem ou não informar à NASA sobre o que descobriram, provavelmente com medo de serem tomados por loucos pondo em risco a participação em missões futuras.

A origem do som, que nada tem a ver com a canção dos Pink Floyd lançada quatro anos mais tarde, “The Dark Side of the Moon”, permanece por isso um mistério.

A Apollo 10 foi a quarta missão tripulada do programa Apollo e a segunda a ir à lua, e antecedeu o voo da Apollo 11, que dois meses depois pousou pela primeira vez na Lua.

A conversa toda entre os astronautas da Apollo 10 ficou gravada mesmo assim enquanto voavam pelo lado oculto da lua. A NASA considerou que estas revelações configuravam uma informação muito escandalosa como para ser revelada na época ou pelo menos iriam causar algum tumulto.

As transcrições da missão Apollo 10 foram classificadas e ficaram fechadas nos arquivos da NASA até 2008, altura em que se iniciou o debate sobre a origem daqueles sons estranhos.

continua depois da publicidade



Em declarações ao documentário norte-americano, o astronauta Alfred Worden da missão Apollo 15, refere que a tripulação da Apollo 10 estava muito treinada para reconhecer todo o tipo de sons que poderiam escutar em órbita.

Uma das explicações possíveis para a estranha música seria a interferência de ações magnéticas com sinais de rádio, mas há especialistas que defendem que a Lua não tem campo magnético e os sinais rádio não passam para o lado negro da lua.

Com a popularidade que teve este episódio do programa, o porta-voz da Nasa disse que falou com o astronauta Eugene Cernan, que assegura "que não se importou suficientemente com o incidente para levá-lo a sério."

"Se tivéssemos pensado que se tratava de outra coisa (que não fosse uma interferência), haveríamos informado todo o mundo depois do voo", acrescenta o astronauta.