Portal do Conhecimento

Cultura e Conhecimento ao seu Alcance!

Cultura e Entretenimento

O ponto cego em nossa visão

Entenda o que é e como achar ponto cego da sua visão.

Ponto cego. Todos nós temos um ponto no campo visual de cada olho que “não enxerga”, chamado de ponto cego. É o lugar no campo visual que corresponde à falta de células fotorreceptoras no disco óptico da retina. Não percebemos essa falha, pois a imagem de um olho compensa a do outro, e isso é perfeitamente normal.

O ponto cego, ou escotoma, é o local nos nossos olhos em que o nervo ótico passa através da retina para o cérebro. A conduta de células nervosas que constitui o nervo ótico produz uma espécie de "orifício" na retina, uma porção do campo de visão que não é percebida graças à falta de células fotorrecetoras que detetam a luz. É a esta estrutura aparentemente deficiente da retina, que produz o ponto cego no nosso campo de visão, que os especialistas chamam de "olho invertido". O ponto cego localiza-se a cerca de 15 graus no lado nasal da fóvea. Os seres humanos saudáveis geralmente não se apercebem desta falta de informação visual, porque o nosso cérebro interpola o ponto cego com base nos pormenores circundantes, na informação do outro olho e no cálculo de diferentes imagens resultantes dos movimentos oculares. O ponto cego foi documentado pela primeira vez em 1660 por Edme Mariotte, um físico francês.

continua depois da publicidade


Aprendendo Hipnose
Para conhecer e dominar e desmistificar a Arte Milenar da hipnose. Veja em detalhes neste site
https://www.mpsnet.net/G/63.html

A razão por que nunca olhamos fixamente para os objetos.

Pode dizer-se que todas as criaturas têm os olhos que merecem. Para os animais que poderão constituir o prato seguinte no menu de um predador, é importante possuir um excelente campo de visão panorâmica. É por essa razão que as lebres, os veados e outras presas potenciais têm os olhos na parte lateral da cabeça. No entanto, têm mais dificuldade em avaliar a profundidade e a distância.

Graças aos nossos olhos voltados para a frente, nós, os seres humanos, conseguimos avaliar extremamente bem a profundidade e a distância, apesar de não dispormos de um campo de visão de 360 graus, provavelmente porque deixamos de precisar dele.

Sabia que, em rigor, não fixamos verdadeiramente um objeto quando o focamos? As células fotorrecetoras na nossa retina apenas reagem a alterações nas condições de luz. Assim, se realmente fixássemos alguma coisa, a imagem imóvel começaria a esbater-se. Mas, como sempre, a natureza tem uma solução: os nossos olhos estão constantemente a executar minúsculos movimentos aleatórios, sem darmos conta, para assegurar que mantemos o objeto focado enquanto nos apercebemos, simultaneamente, dos objetos que nos rodeiam. Assim, mesmo quando fixamos um ponto, os nossos olhos estão permanentemente a fazer movimentos breves e rápidos, conhecidos como sacadas.