Página Inicial » Meio Ambiente


                       

     

|02|


Importância da conservação dos oceanos

Os oceanos ocupam cerca de 71% do nosso planeta e nos provêem alimento, energia, água e sal. Além disso, mantém o clima do planeta estável, aquecendo ou esfriando os continentes e regulando a umidade deles.
Com o crescimento indiscriminado das indústrias e do consumismo do homem os oceanos estão passando por dificuldades para depurar os contaminantes que chegam até ele, afetando direta ou indiretamente a vida marinha, seja na diminuição do número de indivíduos ou na extinção de algumas espécies.
Com o efeito estufa a temperatura do planeta aumenta, pois o ar quente fica aprisionado na atmosfera. Esse aquecimento altera a dinâmica dos oceanos podendo modificar as correntes superficiais, alterar a salinidade, aumentar o nível do mar em algumas localidades, podendo ainda causar alterações no clima de maneira geral. Um exemplo dessa alteração é o derretimento de parte das geleiras e um afluxo de água doce muito grande, o que compromete a salinidade e conseqüentemente a fauna e flora. Essa “dessalinização” vai influenciar as massas de água tornando-as mais doces e menos densas e, como conseqüência alterando o sentido de algumas correntes superficiais importantes, como, por exemplo, a corrente do Golfo que leva calor para o Hemisfério Norte.
 
A produção de oxigênio proveniente do fitoplâncton marinho (55%) contribui com mais da metade do oxigênio produzido no planeta; pesquisadores confirmam a extinção de algumas espécies de algas em função do aquecimento global que altera a temperatura das águas. Cada espécie de alga precisa de uma determinada temperatura para as etapas do ciclo de vida, incluindo a reprodução, e quando há mudanças significativas na qualidade da água, seja em temperatura ou nutrientes, esse ciclo pode ser alterado ou não se completar. Essas conseqüências também são válidas para outras espécies marinhas que não o plâncton.
 
O homem está acelerando a diminuição da biodiversidade marinha; o estoque pesqueiro está diminuindo em função da pesca predatória por diferentes artes de pesca. Exemplificando: as redes de arrasto causam uma elevada captura acidental de espécies não comerciáveis ou de tamanho inferior ao permitido por lei. Aves, tartarugas marinhas e golfinhos ficam presos em espinheis, redes de arrasto e outras artes de pesca levando-os à morte.
 
O efeito nocivo que o homem está causando acabará por destruir a própria humanidade seja por poluentes atmosféricos (gasosos ou particulados) e poluentes líquidos. De uma forma ou de outra todos eles acabarão nos oceanos. Por outro lado, a extração de minerais, petróleo, entre outros, também contribuem para o desequilíbrio natural dos oceanos.
 
Hoje em dia algumas dessas conseqüências estão sendo sentidas pelo planeta: maior freqüência de manifestações naturais como terremotos, furacões, tsunamis, seca em algumas localidades e enchentes em outras, aumento da radiação solar que chega a nosso planeta pela diminuição da camada de ozônio. Essa é a maneira que a “mãe natureza” tenta voltar ao equilíbrio “naturalmente perdido”.
Dessa forma, torna-se necessário um programa global que permita mostrar de maneira simples e ao mesmo tempo “chocante” o futuro de nosso planeta.

 

 

 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento