Página Inicial » Ciência Avançada




|03|

Método para fazer etanol utilizando apenas água e CO₂

Cientistas da Universidade de Stanford, na Califórnia, Estados Unidos, dizem ter desenvolvido um processo único e inovador para a fabricação de etanol líquido que não depende de milho, cana de açúcar, nem qualquer outra matéria-prima tradicionalmente envolvida no processo.
 
como fazer etanol utilizando apenas água e CO₂

Os pesquisadores divulgaram sua descoberta na mais recente edição online da revista “Nature”. No texto, os cientistas contam que, daqui a menos de três anos, eles esperam ter um protótipo pronto para produzir biocombustível utilizando como ingrediente nada mais do que água e monóxido de carbono (CO), facilmente derivado do dióxido de carbono (CO₂)

“Nós descobrimos o primeiro metal catalisador que é capaz de produzir quantidades consideráveis de etanol a partir do monóxido de carbono em condições de temperatura e pressão ambiente, uma reação eletroquímica notoriamente difícil”, escreveu Matthew Kanan, um dos autores do relatório divulgado esta semana.
 
Os cientistas admitem que ainda falta um caminho a ser percorrido até o desenvolvimento do tal protótipo, mas acreditam estar na trilha certa para alcançar o objetivo. Segundo a equipe trabalhando diretamente na questão, a nova forma de fazer etanol tem potencial de proporcionar às pessoas um novo biocombustível, menos caro, que poderia reformular completamente o setor energético atual.
 
“Eu enfatizo que estes são apenas experimentos de laboratório, nós não construímos um aparelho”, ressalta Kanan. “Mas isso demonstra a viabilidade da utilização de energia elétrica de uma fonte de energia renovável para a produção de combustível – neste caso, o etanol. E existem diversas vantagens reais para fazer isso em vez de utilizar biomassa para produção de etanol”.

De fato, o novo processo eliminaria incontáveis hectares de plantações que atualmente são necessárias para a produção de biocombustíveis – uma mudança que revolucionaria a agricultura de países como os Estados Unidos e o Brasil, caso o extenso cultivo de cana de açúcar, no nosso caso, ou de milho não seja mais necessário.
 
Segundo os cientistas, este fato por si já poderia ajudar a empurrar os preços dos alimentos para baixo, dado que os milhares de hectares hoje usados para o setor de energia seriam aproveitados para o cultivo de alimentos para a população. O processo de conversão de biocombustível tradicional requer, por exemplo, quase 22,5 quilos de milho para a produção de apenas dez litros de etanol, além de centenas e centenas de litros de água.
 
Os pesquisadores dizem que o biocombustível seria gerado usando um dispositivo de alta tecnologia ainda em desenvolvimento que utiliza dois eletrodos, incluindo um derivado de óxido de cobre, para converter a matéria-prima em combustível. “A conversão eletroquímica de CO₂ e H2O em combustível líquido é ideal para o armazenamento de energia renovável de alta densidade e poderia constituir um incentivo para a captura de CO²”, escrevem os autores.

“Antes do nosso estudo, havia uma sensação de que nenhum catalisador poderia reduzir de maneira eficaz o monóxido de carbono em um líquido. Nós vimos uma solução para este problema ao utilizar o cobre, que é barato e abundante”, acrescentam. “Esperamos que nossos resultados inspirem outras pessoas a trabalhar em nosso sistema ou a desenvolver um novo catalisador que converte o monóxido de carbono em combustível”.
 
De acordo com a Associação de Combustíveis Renováveis dos Estados Unidos, os EUA lideram o mundo na produção de etanol com a produção de cerca de 50,3 bilhões de litros de biocombustível em 2013. Segundo dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), no Brasil, a produção de etanol total no ano passado foi de 28,3 bilhões de litros. [RT]

 

 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento