Página Inicial » Charadas


 

     

|02|


Como funciona a memória?

 
Vejamos os três tipos de memória que possuímos para receber e guardar informações.

Memória sensorial

Você recebe as informações dos sentidos, como a visão e a audição. Você retém a informação por um ou dois segundos enquanto a processa e decide o que fazer com ela. O que você ignora logo desaparece e não pode ser recuperado, assim como o som se dilui. Lembre-se você identifica um som em uma frase ou tem uma visão rápida de uma pessoa que você reconhece, quando não estava exatamente prestando atenção, mas então, em um instante, tudo desaparece.

Memória de curto prazo

Quando você presta atenção em alguma coisa, os detalhes são transferidos para a memória de curto prazo, que só consegue armazenar até sete elementos por vez. Por exemplo, usando esse tipo de memória, você consegue se lembrar dos números de sua conta corrente ou de uma senha ou um código somente enquanto for preciso guardá-las. Assim que a sua memória de curto prazo estiver "cheia", basta apenas uma nova informação para que a antiga seja descartada, devido aos mecanismos neurais (os significados e associações), que não foram criados para nos permitir lembrar dessas informações mais tarde. Alguns cientistas acreditam que a evolução moldou essa memória de forma que ela tenha uma capacidade limitada. Você já parou para pensar como seria se você fosse capaz de reter toda informação visual a que é exposto todos os dias? O que aconteceria se você guardasse na memória todos os rostos que cruzam o seu caminho e todos os cartazes que você lê? Bem, no mínimo, seu cérebro sofreria de uma sobrecarga
de informação. A vantagem de se ter um limite para a memória é que isso permite que se priorize a informação que se tem nas mãos.

Memória de longo prazo

0 que faz uma informação se transformar em memória de longo prazo? Qualquer informação pode estar ligada a ela através do processo de associação por repetição ou sentido. Uma vez processada, a informação pode ser recordada após semanas, meses e até anos. Para torná-la efetiva, você deve fazer o maior número de links possíveis, para aumentar a quantidade de "gatilhos" para recuperar a memória. Os links são estabelecidos quando você pondera, revisa e analisa a informação. A associação, em particular, depende da sua memória visual, tornando-se uma maneira eficaz de se lembrar uma lista de itens diferentes. Uma coisa que sabemos sobre memória é que, quando ligada a experiências pessoais e emoções, ela é mais fácil de ser lembrada. Se você não estiver convencido disso, pense em um aniversário. De qual deles você lembra: o de 10 anos? O de 15 anos? O de 18 ou o de 21 anos? É mais provável que você responda o de 18 ou o de 21 anos, por serem mais significantes.

Auxiliares da memória

Associação/Visualização: formar conexões mentais é o processo que o cérebro naturalmente usa para que as coisas façam sentido. A informação pode ser recuperada mais facilmente se você relacioná-la a uma ideia ou a um objeto que seja familiar a você (associação), ou se você cria uma imagem mental da mesma.
 
Revisão: com ela, a maior parte das pessoas só consegue se lembrar em torno de 20% do que foi selecionado - isso após um período de 24 horas. Os estudantes podem melhorar o desempenho de modo significativo, simplesmente revisando o conteúdo a ser abordado momentos antes da aula, apenas para esclarecer e confirmar o que aprendeu, e fazê-lo novamente mais tarde, nesse mesmo dia.
Revisar conteúdos regularmente irá transferir informação para sua memória de longo prazo.
 
Ordem: o cérebro é eficiente no que se refere a apontar padrões e pensar em ordem. Os números 7 19 3 115 podem parecer difíceis de se lembrar, mas reordená-los para 1 3 5 7 9 11 torna essa tarefa mais fácil, porque o cérebro registra a ordem em seqüência de forma instantânea.
• Sentidos: use todos os seus sentidos, e não apenas a visão; utilize a audição, o olfato, o paladar e o tato para processar informações para que a memória fique mais forte e duradoura.
 
Mnemônica: torna mais fácil recordar as informações ao criar rimas, sentenças ou imagens bizarras que ativam a memória.

 • Acrônimos: estes podem ser excelentes para memorizar uma lista ou a ordem de alguma coisa. Por exemplo, para se lembrar dos nomes dos planetas do Sistema Solar, você pode usar a seguinte frase: "Minha (Mercúrio) Velha (Vênus), Traga (Terra) Meu (Marte) Jantar (Júpiter): Sopa (Saturno), Uva (Urano) e Nozes (Netuno).

 

 

 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento