Página Inicial » Bastidores da História




 
|02|
 

 

Hitler e sua inspiração na Teosofia

A Teosofia é um corpo doutrinário que sintetiza Filosofia, Religião e Ciência, que está presente em maior ou menor grau em diversos sistemas de crenças ao longo da história, e foi exposto modernamente primeiro por Helena Blavatsky no final do século XIX, e por outros desde então.

Observe o símbolo da bandeira NAZISTA no alto, que serviu de inspiração ao NACIONAL SOCIALISMO ALEMÃO o partido de HITLER.

O mais curioso deste selo (criado em 1875), é que a suástica encontra-se acima da Estrela de Davi, símbolo associado ao judaísmo.

Helena Blavatsky é a fundadora da Teosofia.


A Sociedade Teosófica foi fundada em 1875 em Nova York, numa época em que parecia que se havia chegado ao auge do enfraquecimento das instituições religiosas.


Os abusos de poder eclesiástico e as maquinações entre Igreja e Estado trouxeram para essas instituições uma grande vulnerabilidade, com revoltas internas e dissidências explícitas, expondo-as às críticas de ateus, liberais e radicais.


Como diz Washington, "ia se tornando claro que existia no Ocidente um enorme e duradouro apetite público por formas novas e exóticas de crença religiosa, para suplementar e até mesmo substituir formas ortodoxas de cristianismo".

O místico Emmanuel Swedenborg (1688-1772) já havia tentado, na Suécia, um caminho que fundia ciência e religião, com direito a visões de Jesus Cristo e a sonhos reveladores. Outro antecessor da Teosofia, o suíço Franz Anton Mesmer (1735-1815), havia proposto que todos os corpos são envolvidos por uma espécie de fluido magnético, cujo fluxo poderia ser detectado e dirigido por indivíduos sensitivos com fins terapêuticos.


Mas o que a insatisfação espiritual dessa época pedia, segundo Washington, não era exatamente novas doutrinas, mas sacerdotes carismáticos, que poderiam muitas vezes ser substituídos por escritores e até por líderes políticos. A busca de uma "chave para tudo", mesmo que na forma de uma doutrina, teria de passar, necessariamente, por carismáticos mestres espirituais.


Sobre isso, o autor de O Babuíno de Madame Blavatsky faz uma citação imperdível: "Talvez esta seja a definição de carisma: que cada pessoa pode tão facilmente revestir seu objeto com seus próprios sonhos" (pág. 216). Estava aberto, assim, o caminho para o surgimento do guru ocidental. Os criadores da Teosofia ou "ciência sagrada" foram o norte-americano Henry Olcott (1832-1907) e a russa Helena Petrovna Blavatsky. Eles conheceram-se nos EUA um ano antes de fundar a sociedade inspirada nas culturas hinduísta, xivaísta, egípcia e outras da Antiguidade.

Seu objetivo era pesquisar e divulgar "as leis que governam o Universo". Havia, para eles, o pressuposto da existência de uma doutrina universal secreta e o de que todas as religiões são essencialmente uma mesma religião.


A descoberta dessas leis universais se dava, segundo eles, por revelações feitas por espíritos que se manifestavam por cartas dirigidas a Blavatsky e a Olcott. Apesar dos fracassos iniciais, a Sociedade Teosófica logo conseguiu atrair nobres e outros endinheirados, que custearam a expansão da entidade e de suas filiais, além de viagens e hospedagens da sua dupla de fundadores para vários países.

Embora Helena nunca tenha pregado algum tipo de limpeza étnica, seus escritos foram distorcidos e serviram como argumentos e inspirações para movimentos racistas e genocidas como o Nazismo. Alguns escritores afirmam que Hitler era profundo conhecedor da Teosofia.

Veja as seguintes palavras de um dos principais planejadores da Nova Ordem Mundial, Bill Lambert, o presidente da Casa da Teosofia, na cidade de Boston. (Lembre-se que a Casa da Teosofia treinou Adolf Hitler no ocultismo.) Anos atrás, assisti a um Seminário ministrado por Bill Lambert sobre os eventos futuros planejados. A participação nesse seminário era restrita aos membros e convidados especiais da Casa da Teosofia na Nova Inglaterra. Um ex-membro, que havia se convertido a Cristo recentemente, me ofereceu um ingresso e eu pude assistir furtivamente às palestras.

Lambert afirmou enfática e claramente que o Anticristo só poderá aparecer na Terra quando uma proporção significativa da população em geral estiver pré-condicionada a aceitá-lo. Estas foram suas palavras:
"As energias querem fluir da Hierarquia para a Terra e produzir a manifestação física do Cristo; no entanto, esse fluxo somente poderá ocorrer quando a humanidade elevar sua consciência coletiva, para que todos sejam receptores adequadamente despertados."


[Ele estava parafraseando Alice Bailey, nas páginas 617-618 do livro The Externalization of the Hierarchy (A Exteriorização da Hierarquia)].


Neste ponto, não consegui resistir; levantei meu braço e fiz uma pergunta: "O Sr. falou anteriormente que o papa irá a Jerusalém; quando Maitréia aparecer em cena, existirão três tipos de pessoas:


Aqueles cujas consciências foram adequadamente elevadas e que poderão aceitá-lo imediatamente;

Aqueles cujas consciências foram elevadas, mas não o suficiente para que o aceitem rapidamente; no entanto poderão aceitá-lo após uma maior iluminação;

Aqueles que nunca o aceitarão.

Lambert afirmou claramente que a vasta maioria da população do mundo precisará estar nas categorias 1 ou 2 antes de o Anticristo aparecer. Assim, a antiga cultura baseada nos valores do cristianismo e do judaísmo precisa ser radicalmente modificada para que o Anticristo possa aparecer. Em nossos Seminários 1 e 2, descrevemos meticulosamente a maneira como essa mudança foi colocada em prática desde 1963.


1) A Maçonaria é o principal poder ocultista que está por trás da implementação desse novo sistema;


2) A Casa da Teosofia, fundada por Madame Helena P. Blavatsky, é a precursora do Movimento de Nova Era. Blavatsky apoiava a Maçonaria em seu Plano Mundial, treinou muitos maçons no século XIX, criando um círculo esotérico chamado de 'Mestres da Sabedoria';


3) O Movimento de Nova Era atual tem o objetivo de transformar nosso país, e as atitudes das pessoas, para que o Cristo da Nova Era, Maitréia, possa aparecer e tomar o controle;


4) Epperson demonstra que a Religião do Cristo [o Anticristo] será a religião dos antigos mistérios satânicos da Babilônia e do Egito;


5) As sociedades secretas, incluindo a Maçonaria, adoram ao mesmo ser sobrenatural, Lúcifer;


6) O capítulo de Epperson sobre os obeliscos é um dos melhores em publicação atualmente; Os obeliscos são centros ocultistas de adoração, e um bom ocultista "olhará para um obelisco" pelo menos uma vez por dia. Considere o Monumento a Washington, e verá que tanto o presidente e os membros do Congresso podem "olhar para o obelisco" todos os dias.

"Teozoologia", propagada por Josef Lanz na série de panfletos de Ostara, A Biblioteca dos Louros e Direitos Masculinos , não era abertamente adotada nos escritos oficiais nazistas, e só raramente era explorada. Todavia, esta teoria mostra as mais obscuras motivações do merniqueanismo racista, idéias que ainda estão espalhadas hoje em dia. Lanz não pode nem mesmo exigir o direito de ter sido o criador e inventor deste sistema de ilusão sexualmente neurótico.

Um caso de compêndio para psicanálise, Lanz meramente reinterpretou a antropogênese teosófica de Blavatsky e Besant em termos sexuais. Na teosofia, a humanidade cai porque os homens copularam com animais femininos; no sistema de Lanz "todas as calamidades na história do mundo... têm sido causadas pelas mulheres liberadas" . De acordo com sua teoria, anunciada primeiramente em 1905 (August Strindberg foi um dos primeiros convertidos)

 

 

 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento