Página Inicial » Saúde e Bem Estar


     

|01|

 

   Depois da hipnose, minha vida mudou

Três garotas comprovaram que a reprogramação do cérebro pode ajudar a superar traumas, controlar a ansiedade e a depressão e até a perder peso. Entenda tudo sobre essa técnica que está dando o que falar

Você está com sono, muito sono... Quantas vezes você já viu personagens de desenhos animados balançando um pêndulo, repetindo essa frase e fazendo hipnotizados obedecerem às suas ordens? Esqueça a ficção. Longe das telas, na vida real, a hipnose é um tratamento sério que vem sendo cada vez mais procurado para vencer os males da vida civilizada.

Quem não conhece alguém que foi assaltada e ficou com medo de sair de casa? Ou uma amiga deprimida porque perdeu o emprego? Ou ainda aquela outra que morre de medo de avião? Fobia, depressão, ansiedade, angústia, stress são alguns dos problemas que a hipnose vem resolvendo com sucesso. Tanto que, em 1998, médicos da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, divulgaram um estudo para o mundo inteiro comprovando a eficácia do método para mudar padrões de comportamento pela atuação no inconsciente.

Antes de duvidar da idéia, veja como a hipnoterapia funciona. Para chegar na origem do problema, o hipnoterapeuta vai conduzi-la a relaxar profundamente até atingir um estado alterado de consciência. "Nesse estado, há uma diminuição da autocensura que permitirá que você fale sobre eventos que, quando acordada, não se lembra", explica o psicanalista Rubens Marcelo Volich. Ao acessar esse "banco de dados" escondido, o terapeuta é capaz de interferir na forma como esse arquivo está disposto, mudando a forma como você encara os problemas ligados àquele episódio.

O primeiro passo para um tratamento é uma longa conversa com o terapeuta, em que ele levantará seu histórico completo. Depois, você será convidada a colocar-se numa posição bem confortável ­ sentada numa cadeira ou deitada numa cama. Há diversas técnicas para estimular o transe; a mais comum é a repetição de palavras ou frases em tom monótono. "São frases curtas, com pequenas pausas, que reduzem o ritmo cerebral e deixam o organismo num estado profundo de tranqüilidade. Trabalhamos então com imagens, fazendo com que a garota enxergue algumas situações e tenha sensações correspondentes", explica o psicólogo e hipnoterapeuta Odair José Comin. O médico José Álvaro da Fonseca conta o caso de uma mulher que comia demais porque vivia ansiosa, tentando render mais e mais no trabalho. Ele a hipnotizou e construiu cenas onde seu desempenho profissional melhorava, eliminando a causa da ansiedade. Resultado: a autoconfiança da paciente foi reforçada e ela emagreceu. É como mudar uma chave no cérebro. Só que, para atingir esse estado de consciência alterado, você precisa estar disposta a isso. Ninguém é hipnotizada contra a vontade, muito menos faz coisas que não faria se estivesse acordada. "Mesmo em transe, nunca agimos contra nossa moral, nossos princípios. Não entramos em outro mundo: sabemos tudo o que acontece ao redor, como o telefone tocando, as buzinas dos carros passando, a porta batendo", explica José Álvaro. Segundo ele, na maioria das vezes, são necessárias cerca de oito sessões de 50 minutos em média para sanar um problema.


a consciência que censura

O segredo da hipnose, na verdade, é o estado entre o sono e a vigília. É neste momento que o consciente ­ esse danado que questiona tudo e que muitas vezes esconde seus traumas de você mesma ­ fica neutralizado. Sem a censura do consciente, o terapeuta fisga a origem do problema e faz com que você vivencie as experiências traumáticas novamente, só que de uma forma suave. Ele pode ainda diminuir ou anular uma dor, convencendo o cérebro de que aquela sensação não existe. Era isso, aliás, que muitos médicos faziam na Segunda Guerra Mundial, uma vez que precisavam operar pessoas sem anestesia. "Você pode ativar processos desse tipo por conta própria e se auto-hipnotizar. É uma questão de treino", diz o hipnoterapeuta Jean Jacques Buhannic, certificado pela National Guild of Hipnotists, dos Estados Unidos. "Tente se auto-sugestionar o tempo todo: fale bem de si mesma, pare de se criticar, acolha seus erros, adote uma postura positiva."


sem medo do espelho

Não é consenso entre os hipnoterapeutas, mas há os que afirmam que, na luta contra a balança, a hipnose pode ser uma grande aliada. Afinal, conscientemente, você sabe o que precisa fazer para perder peso: dieta e exercícios. Então por que a solução não é tão simples quanto deveria? Na maioria dos casos, a culpa é da ansiedade, que faz você comer mesmo quando não está com fome. E é aí que a hipnose pode atacar com eficiência. "A garota ansiosa perde o foco do problema, não consegue enxergar com transparência o que está acontecendo. A hipnose ajuda a lidar com a ansiedade, não impedindo que ela surja, mas permitindo a você deixá-la sair de forma saudável, sem fazer da comida uma válvula de escape", explica o médico Leonard Verea, presidente da Sociedade Brasileira de Hipnose Clínica e Dinâmica.

Além da ansiedade, há outros fantasmas que perseguem quem não consegue perder peso. E o estado hipnótico funciona para tentar descobrir qual o seu problema específico e a melhor maneira de lidar com ele. O tempo de tratamento varia de acordo com as barreiras a serem superadas, mas dura, em média, de três a seis meses, com uma sessão por semana. Só um alerta: a hipnose é uma ferramenta que trabalha a raiz dos problemas emocionais, e não diretamente suas conseqüências. Isso quer dizer que o ideal é unir o tratamento a uma dieta e à malhação. Assim, o trabalho é conjunto, pois a hipnose ajuda você a seguir seu plano de emagrecimento sem sair da linha.


em transe, sem risco

Não há nenhum órgão oficial que regulamente hipnoterapeutas. Profissionais de saúde (médicos e dentistas) ou psicólogos são os que mais recorrem ao método. Escolha alguém que tenha feito pelo menos mais de um curso a respeito ­ no Brasil, o Instituto Milton Ericksson é um dos principais centros de formação em hipnose. Hipnose requer prática. Prefira profissionais que já usam o método há muito tempo e com freqüência. Uma sessão de hipnose mal conduzida pode despertar problemas que ainda não existiam. Por isso, antes de escolher o terapeuta, procure indicações com um médico ou psicólogo de sua confiança.

"Sofri de asma e bronquite desde pequena. Quem tem esse problema sabe que é um drama: a qualquer momento você pode sentir o ar faltar. Há cerca de três anos, resolvi consultar um médico que tratava seus pacientes com hipnose. Não acreditava muito que poderia dar certo, mas apostei para ver. Confesso que senti um pouco de medo do que poderia acontecer enquanto estivesse fora do estado normal. Mas o médico me explicou que eu lembraria tudo depois. Então, pediu que eu sentasse e colocasse as mãos nos joelhos. Começou a falar pausadamente. Sem perceber, estava hipnotizada. Ele mandou que eu levantasse um braço e disse que ele estaria duro como pedra. Era incrível: não conseguia mexê-lo! De repente, você não controla mais seu corpo, mas tem consciência de tudo o que está acontecendo. O médico associou minha bronquite à tristeza guardada no pulmão. Acordada, não conseguia saber por que estava triste. Hipnotizada, ele me fez lembrar da morte do meu pai, quando tinha 4 anos. Então, disse que a partir daquele momento minhas mucosas não estariam mais inflamadas; que as células do meu pulmão voltaram a ser felizes e não havia mais motivo para tristeza. Parei de sentir meu peito chiar. Acabei não fazendo o tratamento todo por falta de dinheiro, mas a partir daí tive pouquíssimas crises. Agora quero voltar lá para perder uns 5 quilinhos que teimam em não ir embora!"
Mariana Lancellotti, 24 anos, relações-públicas

"Somatizei meus problemas durante a vida toda. Bastava não alcançar um objetivo, conviver com alguém que não gostava ou me deparar com uma dificuldade maior que lá estava eu doente, vomitando e com diarréia. Há três anos, comecei a sofrer também de depressão: cheguei a ficar dois dias fechada no quarto sem comer. Foi quando minha psicóloga me indicou um hipnoterapeuta. Conversamos sobre minha vida e meus problemas de saúde, até aqueles de quando era pequena. Ele pediu que me deitasse, fechasse os olhos e começou a falar algumas frases. Depois, pediu para contar de 100 para baixo e imaginar cenas agradáveis. Quando entrei em transe, perguntou dos momentos em que havia ficado mais triste. Lembrei da morte da minha mãe, aos13 anos, e de quando fui internada no hospital. Chorei muito, desabafei, cheguei a brigar com Deus por ter levado minha mãe. Aliviada, depois da primeira sessão voltei a trabalhar. Fiz três sessões e nunca mais tive depressão nem nenhum dos outros sintomas."
Karina Pessoa, 30 anos, fonoaudióloga

"Há quatro anos comecei a engordar. Saía do trabalho no meio da tarde para comer sanduíche na padaria, não sossegava enquanto não devorasse a caixa de bombons que tinha aberto. Nesse ritmo, em dois anos acumulei 10 quilos e iniciei a batalha para emagrecer: fiz natação, ginástica aeróbica, kung fu e musculação, procurei endocrinologista e apelei até para a dieta das frutas. Suspeitei que a raiz do problema fosse a ansiedade, então, tentei a meditação, a ioga e a terapia. Nada funcionou. Dois anos depois, tinha engordado mais 2 quilos: cheguei aos 65 quilos para 1,60 metro de altura. E a ansiedade crescia à medida que aumentava minha responsabilidade no trabalho. Tentei me controlar mais uma vez, fechei a boca e perdi 3,5 quilos em um mês, com muito esforço. Foi então que decidi experimentar a hipnose. Nos dois meses seguintes, perdi outros 8,5 quilos. E o melhor: sem sofrer, já que aprendi a lidar com a minha ansiedade. Não foi o hipnoterapeuta que me disse o que fazer: eu descobri o caminho. Com a hipnose pude enxergar a verdadeira dimensão do meu problema, como se estivesse me vendo de fora. Sair da sessão superelaxada me fez perceber que não estar ansiosa era possível, e que eu poderia prolongar aquela sensação tão boa. Mas o tratamento ainda continua, porque o desafio agora é parar de fumar."
Raquel Pires, 35 anos, publicitária

 

 

 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento