Página Inicial » Temas Polêmicos


 
|04|

 

Os "Dias" da Criação
de Eduardo Baldaci

 

"...um dia para o Senhor é como mil anos,
e mil anos como um dia" II Pedro 3:8

       Quantos anos tem a Terra ? A Ciência Têm encontrado evidências que nos levam à acreditar que nosso planeta é antiqüíssimo ! Baseando-se nas genealogias do Antigo Testamento e nas cronologias reais, um bispo irlandês do século XVII chegou a datar "O Princípio" em 4.004 a C. Haverá erros arqueológicos ou nos textos bíblicos ??? Como podemos resolver este Conflito ??? 

As Alegadas Contradições Entre a Bíblia e a Ciência

Deus deixou dois registros de sua criação - na Bíblia e na Arqueologia. A Bíblia não foi escrita para ser um tratado científico, entretanto, todas as suas citações científicas podem ser examinadas e constatadas em sua veracidade. Uma dos problemas iniciais é sobre a idade da Terra. Quantos anos elas tem ??? Através da Geologia chegou à conclusão de que a Terra é Antiqüíssima. Daí cria-se o conflito com os cristãos que crêem que a Bíblia diz claramente que faz somente seis mil anos que Deus criou o Universo. Enquanto a Astronomia afirma uma época de cerca de 12 bilhões de anos !!! O problema não resulta em erro, nem da Bíblia e nem da ciência, mas sim na má interpretação dos relatos bíblicos. Ainda assim, é preciso distinguir entre o que a ciência descobriu realmente e o que é mera especulação. A Verdadeira ciência não consiste em teorias, mas em fatos concretos.

Existem algumas Teorias que procuram harmonizar a Bíblia com a ciência:

Teoria do Vazio ou do arruinamento da Criação - Entre Gênesis 1:1 e 1: 2 sucedeu uma "Catástrofe Universal", relacionada com a Queda de Satanás. Como resultado a terra ficou "sem forma e vazia". Deus teria recriado a terra em seis dias literais. Transcorreram-se milhões de anos entre a Criação e a recriação.

Teoria da Criação Progressiva - O relato de gênesis é interpretado poeticamente. Os dias representam períodos de tempo indefinidos. A Bíblia não declara a duração de cada dia, e a grande verdade é que o termo "dia" (hebraico yôm) nem sempre se refere a um período de vinte e quatro horas. Em reforço a esta teoria assinala-se que as recentes descobertas confirmam a ordem da criação descrita em Gênesis.

Teoria da alternância Dia-Era - Os períodos de vinte e quatro horas, ou curtos lapsos de tempo, separados por vastas eras geológicas.

Segundo os cientistas da NASA , o Universo possui de 12 a 13 bilhões de anos de existência. Se o cálculo for feito através do uso dos cronogramas bíblicos, a idade achada não passa dos 6 milhões de anos. Como resolver este conflito ? Estaria a Bíblia errada ? O dogmatismo tem levado muitos à não acreditarem nas eras geológicas, muito embora evidências textuais e arqueológicas apontem nesta direção. O fato de Deus "ter descansado" e da existência do Sabbath, não contrariam esta linha de pensamento. Na Bíblia, existem diversas expressões de antropomorfismo (Deus com formas humanas) e Antropopatia (com sentimentos humanos). O Deus Eterno não tem necessidade de descansar tal como o homem. Deus é perfeito, e em Sua perfeição não cansa ! O Profeta Isaías declara isto: " Não sabes, não ouvistes que o Eterno Deus, o Senhor, o Criador dos confins da terra, não se cansa e nem se fatiga ? " (Is. 40:28). Outra controvérsia é a análise gramatical de Gênesis 2, que causou problemas até mesmo aos Rabis, pois sugere que Deus tenha feito algo no 7º Dia ! Na realidade, o verbo Shãbat tem o sentido de "interromper", "deixar de..." e "Chegar ao Fim..." A grande lição do Sabbath era para a humanidade lembrar da necessidade de dedicar um dia ao Senhor." O Sábado foi criado por causa do Homem"  frisou Jesus. O Sabbath nada tem haver com o dia após a Sexta, mas sim um dia santificado, separado ao Criador. Citado em Gênesis, a realidade só foi instituído nos tempos de Moisés..  É importante lembrar que Deus também instituiu o Ano Sabático (O sétimo,a cada 6 anos)  no qual não era realizado nenhum tipo de plantio. Aos que criticam a idéia das eras geológicas, indagando o que Deus estaria fazendo durante toda uma era ? Respondemos: Deus estava Criando. Aliás, Deus nunca parou de Criar ! NO Evangelho de João 5: 17 Jesus afirmou: " Meu Pai trabalha até agora, e eu trabalho também" e isto num dia de Sabbath! Através das observações astronômicas, notamos um universo em contínua criação. Estrelas nascendo, outras morrendo... Outro grande dilema é o Calendário que usamos atualmente. Ele não foi instituído por Deus. Influências do EGÍPCIOS, MAIAS, ROMANOS e até do Papa Gregório,  resultaram em nossa maneira de medir o tempo

O PONTO DE VISTA DE MOISÉS

Os eventos da Criação são descritos do ponto de vista de um observador que estaria vendo a criação realizar-se ao seu redor. A Ordem não é necessariamente cronológica. Por exemplo, a luz e as trevas são descritas antes do Sol e das Estrelas. Moisés não escreveu um tratado de geologia ou de astronomia ou de qualquer outra ciência. O texto nunca nos diz o "quando" da criação, nem nos explica em detalhes como Deus fez existir a Terra e a vida, nem sequer o "tempo" que Ele gastou ! Moisés não intentou escrever um tratado de Astronomia, Geologia, com vistas ao exame por parte de cientistas do futuro. 

Entendendo "No Princípio"

A Expressão "No Princípio" pode ser entendida muito mais do que "No Início". A tradução do hebraica faz menção de "Em Princípio". Nem sempre sugere "tempo". Exemplo, podemos ver o Sol nascer, no "princípio" do dia. Estamos, no caso, fazendo uma alusão cronológica acerca do que era e o princípio do que será. Uma Continuação. Usamos também "princípio" para sugerir uma transição. Você muda de uma cidade, "deixa suas raízes". Estamos falando de uma nova etapa da vida. Falamos mais do que um princípio. Na realidade, é um princípio de um novo estilo de vida.

Entendendo a Criação de Deus

A Criação de Deus não é uma doutrina de "Era uma vez ...", nem um acontecimento isolado num passado distante. A Criação é algo que Deus continua fazendo. Deus, cuja a natureza é criativa, continua criando. A Criação não é nenhuma exposição em um museu de teologia, mas sim uma Obra permanente de Deus. Precisamos entender os 4 tempos da Criação: Passado, Presente, Imperfeito e Futuro. Criação no Passado nos fala do momento em que Deus Criou todas as coisas. No presente, fala Dele sustentando todas as coisas pelo Seu Poder (Deus não abandonou o Universo, mas controla todos os eventos). Criação no Imperfeito é mais difícil de entender, pois em nossa língua não temos este tempo verbal existente na língua original do Novo Testamento, o grego. Falar da Criação no Imperfeito é falar de uma criação contínua, de Deus Criando constantemente... Já Criação no futuro nos demonstra o ato final de Deus descrito em Apocalipse 21:1: "...Um Novo Céu e uma Nova Terra".

Imagens do Infrared Astronomical Satellite

Evidências Científicas de "Um Princípio"

Big Bang  - A maioria dos astrônomos aceitam a explicação de que o Universo se formou de uma grande explosão ("Haja Luz").  Este fato foi semelhante a explosão de um bomba de hidrogênio cósmica. Isto é importante para a Teologia, pois em algum  tempo passado "Tudo Começou". "...o visível não foi feito daquilo que se vê", afirmou o autor de Hebreus, talvez inconscientemente, referindo-se aos átomos que compõem os elementos !?!

Radiação - Em 1965 Arno Penzi e Robert Wilson do Laboratório Bell, descobriram que a Terra estava sendo bombardeada de uma radiação oriunda de todas as partes do Universo. Mais tarde se descobriu que esta radiação é resultado do Big Bang.

Desvio Para o Vermelho - Melvin Slipher descobriu que uma dezenas de galáxias se afastam da Terra em velocidades altíssimas. A determinação desta velocidade só foi possível através da medição da luz de cada galáxia. Quanto mais afastada, mais o espectro se desviava para o Vermelho. Slipher descobriu que isto parecia uma espécie de Estilhaço cósmico.

 

        Nota adicional sobre os Dias da Criação (Extraído) ¹

A Simetria do esquema de Gênesis 1 levanta a questão se devemos entender o capítulo cronologicamente ou de alguma outra maneira. É concebível que a idéia de "forma e repleção" tenha imposto a presente disposição ao material, parte do qual desenvolve-se  em ordem diferente no capítulo 2 com vistas a ênfase diferente. Ou ainda, como Karl Barth o vê, a menção da luz antes da do sol e da lua poderia ler-se como "franco protesto contra toda e qualquer espécie de culto ao Sol", caso em que o objetivo polêmico teria de ser levado em conta como contribuindo para a estrutura de Gênesis 1. Outra teoria faz dos seis dias uma seqüência de dias de instrução dada ao autor, não dias da criação propriamente dita. Mas ela repousa em grande parte numa errônea compreensão da palavra "fez" em Ex.20:11. Também, um interesse litúrgico poderia explicar o esquema de dias, se se pudesse evidenciar que este "hino" da criação foi composto para a celebração de uma semana festiva do Ano novo em Israel, semelhante ao rito babilônico de Akitu - hipótese baseada em fundamento particularmente pobre. Ainda, porém, pode-se insistir em que a ordem pertence à forma poética da passagem, e não deve ser salientada demais, visto que o interesse do autor é expor-nos o mundo visível como Obra das mãos de Deus, e não informa-nos de que este aspecto é mais antigo do que aquele. Justamente como seria impossivelmente prosaico inquirir o autor de, por exemplo, Jó 38 "sobre os odres dos céus" ou "laços do Órion", assim seria a errônea abordagem desta passagem esperar que seu esquema de dias seja informativo, e não estético. Talvez, uma ou outra dessas sugestões, justifique a intenção do capítulo. Entretanto, a marcha dos dias é um avanço progressivo majestoso demais para não incluir nenhuma idéia de seqüência ordenada. Além disso, parece muita sutileza adotar uma conceituação da passagem que elimine uma das impressões primordiais que ela causa no leitor comum. É uma história, e não apenas uma declaração. Como acontece com toda narrativa, exigiu a escolha de uma perspectiva, do material componente e de um método de narrar. Em cada um destes itens, a simplicidade constitui a nota dominante. A linguagem é a de todo dia, descrevendo as coisas segundo a sua aparência. Os contornos da história são nítidos, livres de exceções e qualificações que distraem a atenção, livres também para agrupar matérias da mesma categoria (de modo que as árvores, por exemplo, antecipam a sua localização cronológica para entrarem na classificação do mundo vegetal), para cumprir um grande propósito no qual as exigências, ora de seqüência no tempo, ora de conteúdo e assunto, dirigem a apresentação, e o quadro completo revela o Criador e os Seus preparativos de um lugar no céu.
 

 


 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento