Página Inicial » Temas Polêmicos


 
|01|

 

O frágil império da Ciência
de Claudio de Moura Castro

Não podemos usar a ciência para testar a existência de Deus, mas a biologia moderna, descendente direta de Darwin, cria os remédios que salvarão vidas, mesmo a de seus descrentes
   

   Metade dos prêmios Nobel e um terço da produção científica mundial estão nos Estados Unidos. De lá veio a liderança para o mapeamento do genoma humano. Muitos de nós estamos vivos graças aos recentes avanços na medicina americana. Os computadores já falam (inglês) e um deles ganha dos melhores enxadristas.
Vem de longa data a liderança científica e tecnológica de nosso vizinho e daí seu poder. Poderia parecer então que lá a ciência está solidamente estabelecida e os paradigmas do pensamento científico são inabaláveis. Ledo engano.
A teoria da evolução das espécies tem 140 anos. Nela, Darwin mostrou que as espécies mudam, vão se transformando, umas competindo com as outras e sobrevivendo as mais aptas. Nessa teoria, o homem descende de primatas e é primo do macaco. É o alicerce de toda a biologia moderna, cujos êxitos nos salvam a vida e alimentam uma população para a qual a Terra pareceria pequena demais. Nenhum professor titular de biologia de qualquer uma das cinqüenta melhores universidades americanas admite explicação alternativa. Hoje, nenhuma das religiões ocidentais importantes tem pinimba com a teoria da evolução. Não obstante, em 1925 o Estado americano do Tennessee, depois da batalha legal de Monkey Trial, aprovou uma lei que proibia o ensino da teoria da evolução. Somente em 1968 essa lei foi revogada. Poderíamos pensar que se trata de um episódio triste, obscurantista, mas encerrado.
Contudo, pesquisa de opinião recente demonstrou que 47% dos americanos acreditam que Deus criou os homens tais como são, enquanto 49% aceitam a evolução como explicação correta. Pesquisa com alunos de cursos superiores mostrou a falta de bases científicas de 45% daqueles que duvidam da teoria da evolução. Pior: alguns Estados vêm aprovando leis que obrigam a ensinar o "criacionismo científico" (cuja cientificidade é negada pelos biólogos sérios) lado a lado com a teoria da evolução. O Kansas eliminou o assunto do currículo.
Stephen Jay Gould, o conhecido paleontólogo da Harvard, atribui isso à fragilidade da educação científica americana, que varia entre a melhor e as mais catastróficas do mundo. Mas há o outro lado da questão: a pouca penetração da ciência na sociedade, mesmo diante das próprias questões científicas. Metade da população pontifica sem saber do assunto e sem respeitar a autoridade de quem sabe. Isso mostra a pouca fé no método científico, que é a grande ferramenta ou motor do conhecimento.
Um dos grandes avanços de nossa civilização é o processo metódico e sistemático de fazer progredir o conhecimento: o teste empírico das teorias. Cada teoria é confrontada com a realidade, de forma rigorosa e perfeitamente explicitada, de modo que qualquer um que faça o mesmo experimento chegue às mesmas conclusões. A teoria conflita com os resultados? Então, lata de lixo para ela. Se a observação não nega a teoria, ela sobrevive, até que alguém encontre uma massa suficiente de casos em que a teoria não concorda com a realidade. Assim, a ciência vai desbastando a ciência boa do mito, do palpite, da superstição. O que sobra é sólido.
Como a observação não nega as idéias de Darwin (com os retoques e ajustes esperados), a teoria da evolução é aceita. De fato, hoje sabemos que o homem compartilha 98% de seu DNA com o chimpanzé. Então, qual a autoridade intelectual de quase metade da população americana para negar uma teoria que resistiu a 140 anos de ataques por aqueles que sabem do assunto?
É perigoso ter uma população basbaque, que acredita em tudo. Mas o extremo oposto não é menos perigoso, pois isso significa a descrença no engenho mais possante que temos para verificar se alguma teoria que descreve a realidade é verdadeira ou falsa. Não podemos usar a ciência para testar a existência de Deus ou seus mandamentos. Esses são atos de fé ou juízos de valor. Mas a biologia moderna, descendente direta de Darwin, cria os remédios que salvarão vidas, mesmo a de seus descrentes. É triste reconhecer, mas, no país mais poderoso do mundo, a ciência não chegou ao povão.
 

 


 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento