Página Inicial » Medicina para Leigos




|01|

 

   Mitos e verdades sobre a calvície

Esse é o tipo de conselho fácil de ser seguido: contra a carequice precoce, olhe-se no espelho.

Abra os olhos para a parte frontal, principalmente as entradas laterais, as primeiras regiões atingidas, antes que a queda chegue ao vértice do crânio, a popular coroinha, e a calvície, parcial ou total, esteja consumada.

Caso a dúvida persista, lance o plano B: olhe à sua volta. Se o seu pai, avô ou tios (paternos ou maternos) tiverem problemas de queda de cabelo, você tem 25% de chances de ficar careca já na adolescência e 50% de riscos de perder cabelo a partir dos 40 anos.

Quanto antes o potencial careca perceber o problema e procurar um dermatologista, maiores as chances de deter ou controlar o processo. Sem tratamento adequado, os fios continuam caindo e, o que é pior, os folículos pilosos, de onde eles brotam, "secam", enterrando de vez qualquer esperança de recuperação.

Todo mundo perde diariamente entre 50 a 70 fios (a cabeleira tem de 100 mil a 150 mil fios), principalmente durante o sono, por causa da fricção no travesseiro, e na hora de lavar e pentear.

O problema é quando essa queda se acentua, ultrapassando mais de 200 fios, e o cabelo começa a ficar mais curto, fino, frágil e com perda de cor. A calvície se instala quando os novos fios deixam de compensar as perdas.

A chamada alopecia androgenética é provocada por uma complexa interação entre informações genéticas e o metabolismo dos hormônios masculinos (veja quadro).

Ela pode começar cedo, no final da adolescência, mas há casos ainda mais prematuros, a partir dos 15 anos, diz Francisco Le Voci, 39, dermatologista do hospital Albert Einstein.

A incidência aumenta com a idade. Cerca de um quarto dos pacientes começa a perder cabelos antes dos 25 anos. O percentual sobe a 40% entre os quarentões e à metade dos homens com 50 anos ou mais, segundo Leontina da Conceição Margarido, do departamento de dermatologia da USP.

O médico deve ser consultado logo nos primeiros sintomas. Por meio de uma análise do histórico familiar e outros exames, como o da taxa de hormônios masculinos, será possível diagnosticar o tipo de calvície e indicar o tratamento.

Cerca de 70% dos calvos têm alopecia androgenética tipo seborréica (gordurosa) e os 30% restantes, seca.

O mercado já dispõe de drogas como minoxidil (princípio ativo do Regaine) e 17 alfa estradiol (Avicis), aplicadas no couro cabeludo e indicadas principalmente para a calvície precoce.

Outra alternativa é o finasterida (Propecia ou Finalop), comprimido de 1 mg que deve ser ingerido diariamente. Dependendo do paciente, a prescrição pode combinar comprimido e loção. Nenhuma das drogas citadas "cura" a calvície, o que significa que deverão ser tomadas para o resto da vida.

Também não se deve esquecer os efeitos colaterais. As loções para o couro cabeludo podem provocar ardência e escamação; no caso do alfa estradiol há também o risco de ginecomastia (desenvolvimento da mama) em adolescentes.

Já o finasterida pode causar perda de libido se consumido por longo tempo (menos de 2% dos pacientes).

Nos casos mais avançados, quando os folículos estão "mortos" e a queda está estabilizada, a saída é o transplante capilar -desde que o paciente possua cabelo na área doadora (região da nuca) e esteja disposto a gastar de R$ 4 mil a R$ 12 mil.

Na cirurgia, são feitos de 1.500 a 3.000 microenxertos de unidades foliculares, principalmente na região frontal e na coroinha. Geralmente, os cabelos começam a nascer após a 12ª semana.

Entenda a calvície

1- Quando a testosterona chega aos folículos pilosos através do sangue, ocorre uma reação química com uma enzima chamada 5 alfa-redutase, que fica nas paredes dos folículos

2- Essa reação gera a dihidrotestosterona, uma espécie de testosterona modificada. Em pacientes com tendência à calvície, o metabolismo aumenta a produção da enzima e gera mais dihidrotestosterona

3- O excesso provoca um processo de miniaturização dos fios, que se tornam finos e frágeis, e pode até matar os folículos, que param de produzir fios

Fontes: dermatologistas Leontina da Conceição Margarido (USP) e Francisco Le Voci (Albert Einstein)

Verdade ou mito?

1 Lavar os cabelos todos os dias aumenta a queda.

MITO. A lavagem pode fazer com que os fios que estão em fase de queda e vão cair de qualquer forma se desprendam mais facilmente.

2 Cortar regularmente evita queda.

MITO. Manter o cabelo curto melhora o visual, mas não influencia na queda. O truque é que, na base, os fios são levemente mais espessos do que na ponta, por isso podem parecer temporariamente mais volumosos após o corte.

3 Alguns esportes danificam os cabelos.

MITO. Atividades esportivas só trazem benefícios ao organismo, e não são uns gols de cabeça que vão mudar um destino cabeludo. Atletas que tiverem tendência à calvície ficarão calvos independentemente do esporte ou atividade física.

4 A caspa favorece a queda.

MITO. Ela pode ser um sintoma paralelo da queda, mas não a desencadeadora. A confusão se dá porque cerca de 70% dos calvos têm dermatite seborréica (oleosidade e descamação do couro cabeludo).

A caspa também pode indicar um certo desequilíbrio do PH do couro cabeludo, causado por xampus mais agressivos, estresse e má alimentação.

5 A água do mar é boa para os cabelos oleosos.

VERDADE. Desde que sem excessos, tanto a água do mar como o sol podem ajudar a diminuir a oleosidade, mas não interferem na queda.

6 Se o fio branco for arrancando, o outro nascerá preto.

MITO. O cabelo fica branco quando as células próximas das raízes não conseguem fabricar o pigmento melanina, que dá cor aos fios. Em geral, é condição geneticamente determinada.

7 O cabelo cresce mais rápido no verão.

VERDADE. O sol estimula a atividade de alguns hormônios, como a prolactina e a melatonina, que induzem o bulbo capilar a "trabalhar" mais, acelerando o crescimento dos fios.

8 O que leva à perda de cabelo é o excesso de testosterona; logo os carecas são mais potentes.

MITO. Infelizmente para os calvos, a perda de cabelo não é provocada por um aumento na produção de hormônios masculinos, mas sim pela quantidade maior da enzima 5 alfa-redutase, que é determinada geneticamente e não tem nada a ver com virilidade.

 

 

 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento