Página Inicial » Medicina para Leigos




|01|

 

   Qual a diferença entre asma e bronquite?

A asma é uma doença inflamatória crônica das vias aéreas que se manifesta por crises em que há uma reação aumentada dos brônquios, as estruturas que levam o ar até os pulmões, em resposta a diferentes estímulos. Na asma os brônquios ficam inflamados e inchados por dentro, o que reduz o espaço para a passagem de ar, dificultando a sua entrada e especialmente a sua saída dos pulmões. Nas crises de asma, há tosse, aperto, chiado no peito e falta de ar. Vencida a crise, a pessoa volta à vida normal. As crises asmáticas às vezes passam espontaneamente, mas na maior parte das vezes exigem cuidados. Há dois tipos de tratamento para a asma: o indicado para o ataque de asma, e o tratamento de manutenção. Os fatores mais comuns que podem desencadear as crises asmáticas são: substâncias alergênicas, exercícios físicos, infecções virais, uso de antiinflamatórios não-hormonais, estresse e poluição ocupacional e ambiental. Assim, a asma pode ser dividida em asma alérgica e asma não-alérgica. A asma alérgica é desencadeada por contato com alérgenos que provocam uma reação dos brônquios, como ácaros da poeira domiciliar, fungos e pêlos de animais. É muito comum em crianças, mas pode ocorrer em qualquer idade. As pessoas que tem asma alérgica geralmente possuem outras doenças alérgicas, como rinite alérgica e/ou dermatite atópica. É muito comum entre pessoas da mesma família. Já a asma não-alérgica é mais comum em adultos, e as crises deste tipo de asma não tem relação com substancias alergênicas. Como dito, vários fatores podem desencadear as crises de asma não-alérgica, como exercícios, uso de antiinflamatórios não-hormonais, estresse, doença do refluxo gastroesofágico, infecções respiratórias virais, dentre outros.

Já a bronquite crônica é quando há tosse persistente com catarro por mais de três meses no ano, por pelo menos dois anos consecutivos. Tosse e expectoração são mais intensas pela manhã e nos meses de inverno. O fumo é a principal causa de bronquite crônica, seguido da exposição a outros agentes irritantes inaláveis. A exposição crônica aos irritantes (produtos do tabaco ou outros agentes irritantes) provoca uma inflamação dos brônquios e pulmões, o que aumenta a produção de muco e a um estreitamento ou obstrução das vias aéreas. A bronquite crônica é um tipo de doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC).

A confusão que existe entre asma e bronquite é porque “bronquite” se tornou um termo leigo para nomear uma doença que na verdade é asma. Vemos, nos consultórios de pediatria, que as pessoas tem preconceito com o termo “asma”. Uma tese de mestrado da UFRJ avaliou a prevalência de asma na população de Duque de Caxias (RJ). Esse estudo utilizou um questionário que continha a pergunta: “Seu filho já teve asma alguma vez na vida?”. A grande parte dos pais respondia que não, mas quando eram questionadas se o filho já tinha tidobronquite, grande parte deles respondia que sim. No imaginário popular “asma” é uma doença grave e estigmatizante, e por este motivo muitos médicos não falam com os pais que o filho tem asma, usando o termo bronquite. Estas crianças, na verdade, possuem a doença “asma alérgica”. O termo “bronquite”, isolodamente, significa apenas inflamação dos brônquios e é um termo pouco específico. Não tenha preconceito com o termo “asma”, asma é uma doença que tem tratamento e seu filho pode ter uma vida normal, correr e brincar como qualquer outra criança.

 

 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento