Página Inicial » Medicina para Leigos




|01|

 

   Cuide do seu fígado

Ele sofre silencioso, aguenta as conseqüências dos exageros da gula e do álcool e quando dá algum sinal é o aviso para cuidar da saúde e repensar o estilo de vida. Estamos falando do fígado, o principal e maior órgão interno que, entre suas muitas funções, é responsável por processar os alimentos após sua absorção no intestino, por regular o metabolismo dos carboidratos, proteínas e gorduras que ingerimos, pela síntese e metabolismo do colesterol e alguns hormônios, além da metabolização dos medicamentos e depuração de produtos tóxicos aos quais o organismo está freqüentemente exposto.

"Por ser um órgão vital para o ser humano, a manutenção de um bom funcionamento das funções hepáticas é fundamental para uma vida saudável", enfatiza o médico hepatologista Élson Vidal Martins Junior, diretor do Centro de Diagnóstico e Tratamento das Doenças do Fígado do Hospital da Beneficência Portuguesa de Santos. É o único da região que mantém uma unidade específica para tratamento dos males do fígado, entre eles as hepatites virais.

DOENÇAS HEPÁTICAS

Além das hepatites virais, outros graves problemas podem atingir o fígado como as hepatites alcoólicas e medicamentosas, esteatose hepática, doenças genéticas (como hemocromatose, caracterizada por excesso de ferro, e Doença de Wilson, excesso de cobre) e auto-imunes. E o pior é que geralmente as doenças evoluem sem apresentar nenhum sintoma. "Icterícia, o popular amarelão, e sintoma de lesão aguda ocorrem em fases mais avançadas em conjunto com a ascite (barriga d`água) e predisposição a hemorragias. O ideal é fazer periodicamente uma avaliação laboratorial e sorológica para pessoas com fatores de risco ou expostas", recomenda o médico Élson Vidal.

Segundo estimativas da OMS, em média de 2% a 3% das pessoas têm algum dos seis tipos existentes de hepatites (A, B, C, D, E e G). A do tipo C, para a qual ainda não há vacina, é considerada hoje um problema de saúde pública no mundo. A estimativa da Organização Mundial de Saúde (OMS) aponta para cerca de 200 milhões de pessoas infectadas com o vírus da hepatite C (no Brasil, calcula-se três milhões) e 300 milhões de portadores de hepatite B crônica. Boa parte desconhece ser portador do vírus, já que a doença evolui silenciosamente.

O FIGADO DE PROMETEU

Prometeu é um dos titãs da mitologia grega, celebrizado pela peça teatral escrita por Ésquilo 462 anos antes de Cristo. A história narra a punição que lhe é imposta por Zeus, pelo crime de roubar o fogo da inteligência dos deuses e dá-lo aos homens. Ele é acorrentado a um rochedo onde uma ave vem dilarerar-lhe o fígado diariamente. O fígado regenera-se à noite e, assim, a punição se torna eterna, para seu azar. Para nosso azar, de pobres mortais, os problemas do fígado não têm fácil solução.

SINAIS DE RISCOS

Alguns sinais e sintomas podem indicar a ocorrência de lesão hepática: icterícia (coloração amarelada da pele e olhos); urina escura e fezes esbranquiçadas; dor e inchaço abdominais; hematomas cutâneos e sangramento digestivo; fadiga crônica, náusea e perda de apetite. Élson Vidal lembra que a prevenção é o mais importante e a pessoa deve solicitar ao médico a inclusão dos testes de função hepática e sorologias para hepatite durante os exames de rotina.

COMO SE PROTEGER

Evite consumo desnecessário de medicamentos e não misture remédios sem escutar o médico; evite consumo de drogas (além da dependência química e psicológica, drogas como cocaína, ecstasy e solventes são tóxicos para o fígado); evite consumo abusivo de bebidas alcoólicas; não misture medicamentos com álcool; evite se expor e inalar solventes; utilize máscaras em caso de exposição prolongada a inseticidas, tintas e combustíveis e luvas para manipular esses produtos, que podem ser absorvidos pela pele; utilize preservativos nas relações sexuais; não compartilhe material de manicure e de barbear; adote uma alimentação saudável e balanceada, evitando gorduras e alimentos ricos em colesterol e ingerindo doces com moderação. Certifique-se da procedência de alimentos como ostras e mariscos, que podem ser contaminados com o vírus da hepatite A.

Em caso de diabetes, é importante manter a glicemia dentro dos parâmetros recomendados pelo seu médico. A manutenção do peso é fundamental, já que a obesidade é uma das principais causas de dano hepático. Faça atividade física regular e, se estiver fazendo dieta para emagrecer, assegure-se da ingestão de vitaminas e sais minerais de que seu organismo necessita.

PREVENÇÕES E TRATAMENTOS

A hepatite B pode ser prevenida através de vacinação. Já para o tipo C, transmitida principalmente através de sangue contaminado, não há vacina e o melhor é evitar procedimentos de risco (tatuagem, piercing, uso comum de aparelhos de manicure, barbear, seringas). O vírus da hepatite C sobrevive no meio ambiente por até 72 horas e, o do tipo B, por uma semana.

O médico Élson Vidal explica que os tratamentos para as doenças hepáticas são muito eficazes atualmente, especialmente para as hepatites virais B e C. "Outras doenças hepáticas também têm tratamento, mas é importante tratar cada caso individualmente. Além disso, temos o transplante hepático com ótimos resultados". A unidade de doenças do fígado da Beneficência Portuguesa desde o ano passado vem atendendo pelo SUS os pacientes encaminhados pela Secretaria de Saúde de Santos, após a confirmação da doença.

GORDURA NO FÍGADO

A esteatose ou esteato-hepatite, conhecida popularmente como gordura no fígado, é uma doença silenciosa que atinge pessoas obesas, com colesterol ou triglicérides elevados ou com diabetes. O acúmulo de gordura no fígado, mesmo sem ingestão alcoólica, pode causar cirrose e, em alguns casos, até mesmo câncer de fígado. "Mas é potencialmente reversível, se suas causas forem diagnosticadas e corrigidas", esclarece o médico João Galizzi Filho, presidente da Sociedade Brasileira de Hepatologia.

Segundo ele, esta é a alteração no fígado mais freqüente em todo o mundo, ocorrendo em crianças e adultos. "Sabe-se que a esteatose acomete crianças acima dos 10 anos de idade, como também adultos situados na faixa etária entre 20 e 60 anos. O sexo feminino é o mais comprometido (de 60 a 80%) e mulheres diabéticas com idade superior a 50 anos teriam um maior risco de desenvolver a doença". Nos EUA, onde a população engordou muito, é conhecida como fatty liver (fígado gorduroso), estando presente em 20% da população geral e em até 40% das pessoas a partir de 50 anos.

"Os tratamentos indicados para este tipo de doença são a perda de peso a partir de uma dieta elaborada, os exercícios físicos regulares e moderados e, se necessário, correção dos níveis da glicose (se há diabetes), colesterol e triglicérides com a ajuda de medicamentos", recomenda o médico.

MITOS E VERDADES

Dor-de-cabeça não é sintoma de dano hepático. Na maioria das vezes trata-se de quadro de enxaqueca.

Os sintomas atribuídos ao fígado são, geralmente, decorrentes de doenças gástricas ou esofágicas.

Medicamentos "hepatoprotetores" (daqueles que costumam ser tomados depois de uns goles a mais ou exagero na comida) não possuem respaldo científico, bem como os chás de ervas medicinais.
 

 

 


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento