Página Inicial » Dicas e Truques



|01|

 

Regras de Ouro para Gravar CD ou DVD 

:: Regras para uma gravação perfeita
 
No início da fabricação dos gravadores de CD-R além de nem existir a tecnologia para gravar CD-RW, e portanto apenas se podia gravar um CD uma única vez, o custo das mídia ultrapassavam a casa dos US$ 15. Os gravadores então, decididamente não eram para serem usados por amadores, pois custavam mais de US$ 500, os mais em conta. Isso foi a menos de 5 anos atrás.
Hoje em dia os gravadores de CD-RW estão custando menos de US$ 50, e o que isso significa? que a cada dia mais pessoas estão tendo acesso a essa tecnologia.

Mas será que a tecnologia de gravação de CD-R alcançou maior facilidade de uso?

Vários produtos surgiram no mercado, tentando fazer do processo de gravação de CD-R tão transparente quando de gravar dados num disco rígido ou num disquete. Mais recentemente produtos e tecnologia passaram a oferecer gravação incremental ou gravação por pacotes (packet writing): JVC, SONY e mais recentemente ADAPTEC (Direct CD). A promessa é eliminar a tradicional mágoa de perder um CD-R durante o processo de gravação. Porém o risco permanece para diversos usuários que usam sistemas de gravação de CD-R para múltiplos usos, e de baixa performance.

A nova tecnologia de gravação por pacotes (packet writing) veio facilitar a gravação de CD-R como backup e arquivamento de dados, porém existem outros padrões de gravação de CD-R que permanecem no método antigo de gravação, que traz o risco do erro mais comum de buffer vazio durante a gravação (Buffer UnderRun).

Muitos usuários que compraram sistemas de gravação de CD-R para uso pessoal ou profissional, estão descobrindo que gravar um CD-R não é - ainda - um processo tão simples como gravar um disquete. Alguns novatos na gravação de CD-R, depois de instalarem seu gravador, tentaram fazer uma cópia backup do seu fragmentado disco rígido, completa, com nomes de arquivo completamente fora do padrão ISO 9660, com vários outros programas rodando ao mesmo tempo, e o "screen saver" ativado, etc... Uma cópia feita nessas condições quase que certamente deu errado. É comum aos usuários novatos perder os primeiros CD-Rs durante as "experiências" de gravação sem os cuidados devidos de configuração do seu equipamento, de seu sistema operacional e do software de gravação.

Todo usuário experiente de gravação de CD-R desenvolveu seu próprio hábito de gravar CDs, hábitos esses que foram adquiridos de maneira dura e após a perda de diversas mídias CD-R. As 3 recomendações ou  regras de ouro, que detalhamos abaixo, devem ser seguidas de modo a minimizar as perdas de mídia CD-R durante o processo de gravação.

É óbvio que os usuários mais experientes sabem que ignorar uma ou outra dessas regras não necessariamente resultará em erro de gravação. Mas por que não minimizar as possibilidades de erro e aspirar uma prática perfeita de gravação de CD-R? Então siga as regras abaixo sempre que viável para você.

 
Três Regras de Ouro


REGRA DE OURO # 1:
DESFRAGMENTAR SEU DISCO RÍGIDO E USAR UMA PARTIÇÃO EXCLUSIVA PARA GRAVAÇÃO


Os dados são gravados num disco de CD-R em trilhas de formato espiral de uma forma contínua. Em geral os discos CD-R são gravados a partir de dados armazenados em disco rígido, esses dados (arquivos) em geral são armazenados no disco de forma fragmentada e quase sempre em locais diversos (clusters não contíguos). Para minimizar o problema de fragmentação de arquivos no seu disco rígido, usuários mais experientes costumam rodar os programas "scandisk" e "defrag" pelo menos uma vez a cada semana.

Os discos rígidos estão cada dia mais rápidos e maiores. Alguns usuários profissionais de gravação de CD-R recomendam reservar uma partição no disco rígido exclusivamente para a gravação de dados em CD-R. A partição deve ser maior que 800 MB e menor que 1 GB, pois partições maiores que 1 Gigabyte utilizam cluster de até 32KB, o que diminui o espaço real em disco. Nessa partição deve ser armazenada a imagem "real" (.ISO) do CD-R a ser gravado, imagem essa que terá num único grande arquivo todos os dados que serão armazenados no CD-R. Esse procedimento é mais adequado do que gravar dados direto de uma grande partição do disco rígido na opção "on the fly". Outra vantagem dessa partição "exclusiva" para gravação é que ela estará sempre "desfragmentada" uma vez que deverá estar sempre vazia, e só conterá um único arquivo.


REGRA DE OURO # 2:
CRIAR UMA IMAGEM "REAL" DO DISCO E TESTAR ANTES DE GRAVAR


Quando se grava um disco CD-R, os programas de gravação tipicamente dão duas opções para organizar os dados a serem gravados, criar uma imagem "real" ou "virtual". A criação de uma imagem "real" favorece o processo de gravação pois todos os arquivos a serem gravados no CD-R primeiramente serão armazenados em disco num único grande arquivo (imagem real), enquanto uma imagem "virtual" consiste em uma tabela (índice) dos arquivos a serem gravados, onde para cada arquivo são armazenadas informações (ponteiros) de onde o arquivo começa e termina no disco.
Na imagem "virtual" você economiza espaço em disco, porém aumenta a possibilidade de erros na gravação (BufferUnderRun) pois são acrescentadas diversas "pequenas tarefas" durante o processo de transferência de dados do disco rígido para o CD-R.
Uma Imagem "real" é gravada no disco rígido no formato ISO de tal forma que o processo de gravação consiste apenas em transferir um único "grande arquivo", armazenado em disco em setores adjacentes, o que minimiza o processo de gravação.

Já ouve um tempo em que ninguém gravava um disco CD-R sem antes fazer um teste de escrita. Nessa época os disco CD-R custavam mais de US$ 10 cada e o tempo de teste durava por volta de hora e meia. Hoje em dia, testes podem ser feitos nas velocidades de até 32X (3 minutos) e a maioria das mídias de CD-R custa menos que US$ 1.
Porque testar antes de gravar é importante?
Durante o teste de gravação é verificada a habilidade do seu hardware (disco rígido, placa controladora, CPU e gravador de CD-R) de transferir dados rápido o suficiente para que o "buffer" do gravador não fique vazio durante o processo de gravação nenhuma vez. Quando o teste é bem sucedido a gravação também deverá ser bem sucedida, salvo problemas no mídia (CD-R) que são muito raros, no gravador (que pode estar desalinhado) ou de equipamento (ex: falta de luz).
Sempre que possível o teste de gravação deve ser feito para minimizar a perda da mídia de CD-R. Com o preço da mídia de CD-R abaixo de US$ 21, a tendência é poupar tempo e gravar direto, entretanto, principalmente para novos usuários da tecnologia, é recomendável testar sempre antes de gravar. No mínimo aumenta a confiança na utilização dessa tecnologia


REGRA DE OURO # 3:
MANTER ESTÁVEL O SISTEMA E DESATIVAR APLICAÇÕES CONCORRENTES


Pode um equipamento estar perfeitamente otimizado, estabilizado e considerado ideal para gravação de CDs? É uma posição admirável, porém na prática não se verifica. A única exceção à regra é se você puder dedicar um equipamento exclusivo para a gravação de CDs. A maioria dos usuários da tecnologia de CD-R usa seu equipamento para gravação de CDs e para diversas outras atividades. Entretanto, se você não pode  fazer upgrades no seu sistema operacional, modificar a memória cache, aumentar a memória RAM, instalar uma nova placa de vídeo ou de som, adicionar um novo disco rígido de maior velocidade, deve se preocupar em manter no máximo a estabilidade de seu sistema, nos momentos em que está gravando uma mídia.
O processo de gravação convencional ainda depende de uma configuração "redonda" e a gravação não pode ser interrompida por outros processos rodando em paralelo, por protetores de tela, etc.
Uma sugestão é manter o gravador de CD-R em uma controladora SCSI exclusiva, diferente da que controla os discos rígidos (se for o caso de se usar discos rígidos SCSI), ou pelo menos usar um canal IDE exclusivo, separado do canal IDE do disco rígido que será utilizado nas gravações. O gravador de CD-R pode dividir a controladora SCSI com outro leitor de CD-ROM SCSI, para permitir cópia de CD para CD através do barramento SCSI.

Usuários Windows estão acostumados a rodar em seu computador várias tarefas simultaneamente. Duas teclas transferem o controle de seu banco de dados para o seu processador de textos ou para a sua aplicação em CD-ROM ou para o gerenciador de arquivos. Se nenhuma atividade de teclado é notada, um protetor de tela é acionado automaticamente. Todas essas aplicações concorrentes usam recursos do sistema, o que pode não ser nada bom para a saúde da mídia sendo gravada.
Quando o micro está em processo de gravação, seu processador de textos pode resolver dar um "auto-save" do seu trabalho corrente, seu protetor de tela pode reparar que não houve atividade de teclado nos últimos minutos e então disparar uma super animação de peixinhos num aquário na tela do micro, seu telefone toca e a placa fax-modem de seu micro atende automaticamente a chamada e passa a receber um fax. Cada um desses processos vai requerer acesso ao disco rígido aos processos na CPU, e principalmente à memória RAM, exatamente durante o processo de gravação que não pode ser interrompido, resultado trágico:
um Buffer UnderRun irá ocorrer, o buffer do gravador de CD-R fica vazio, o processo de gravação contínuo na espiral contínua no CD será interrompido, e o seu CD-R estará inapelavelmente perdido.
Quando se grava um CD-R nenhum outro processo deve estar ativo ou deve ser ativado durante o processo de gravação.

 

 

  RECOMENDE NO GOOGLE +1:


Conheça os Cursos On-Line
Portal do Conhecimento